tecsa

Caro, cliente! Faz um tempo já desde nossa última conversa!

Estive bastante engajado em introduzir vários exames novos juntamente com nossa equipe de Pesquisa e Desenvolvimento.

Todas as novidades visam não somente atender a algumas demandas, mas também em prover inovações e facilidades para diagnóstico e acompanhamento na sua rotina clínica.

Vamos falar um pouco de cortisol!

Já sabemos que as mensurações de cortisol são muito úteis em provas diagnósticas para confirmação e classificação de doenças como hiperadrenocorticismo e hipoadrenocorticismo.

O cortisol também pode ser empregado para avaliação fisiológica de resposta ao estresse.

A partir daí, surge um entrave que, por vezes, pode tanto interferir na confirmação de doença endócrina quanto na precisão da resposta do paciente ao estresse.

A coleta de sangue é um processo invasivo que pode levar a alterações nos níveis de cortisol. Além disso, o próprio deslocamento e alojamento do animal em ambiente diferente do usual já contribui para oscilações desse hormônio.

Os animais, sejam eles domiciliados ou alojados em criatórios ou zoológicos, são expostos a inúmeros fatores estressantes, que podem resultar em estresse agudo ou crônico, de acordo com o tempo de exposição.

A intensidade do estresse está diretamente relacionada com a ocorrência e severidade de impactos sobre saúde física e psicológica. Atualmente, existe uma grande ênfase em Medicina Veterinária Preventiva, com destaque especial para o bem-estar animal.

Dentro desse contexto, a dosagem de cortisol é um importante parâmetro fisiológico para avaliar a resposta ao estresse.

De fato, se vamos avaliar estresse animal, ou até mesmo empregar provas diagnósticas para doenças endócrinas, tudo que não queremos são fatores ligados à coleta ou acondicionamento do paciente contribuindo para o comprometimento da amostragem.

Por esse motivo, e baseado em vários trabalhos publicados em revistas de grande impacto científico, introduzimos as dosagens de cortisol salivar e fecal, através de método imunoenzimático (ELISA).

Os processos de amostragem salivar e fecal são relativamente fáceis de executar, e não exigem contenção mais criteriosa como demandada na coleta de sangue.

Há uma alta correlação entre cortisol salivar e fecal com o cortisol plasmático.

O cortisol difunde-se na saliva pelo processo de difusão passiva, a concentração é independente da taxa de produção e é um reflexo direto da fração livre no sangue.

Para estimulação de suprarrenal por injeção endovenosa de ACTH, já foi demonstrado haver uma boa correlação entre cortisol plasmático e salivar.

A amostra fecal é a que apresenta maior facilidade de coleta, e possibilita inúmeras mensurações de cortisol por indivíduo.

Por não apresentar caráter invasivo, é ainda mais implicada para excluir os fatores estressantes de coleta.

Corresponde a uma excelente alternativa para espécies silvestres de vida livre ou alojadas em zoológicos.

Confesso que fiquei muito empolgado na concepção dessas análises!

Tenho certeza de que a dosagem de cortisol a partir de saliva ou fezes vai fazer uma grande diferença na sua rotina de avaliação endocrinológica!

Existem vários assuntos e pesquisas relacionadas que gostaria de detalhar aqui com você, mas prefiro não prolongar muito!

Qualquer dúvida, eu e meus colegas veterinários da Assessoria Científica do TECSA Laboratórios estamos à disposição!

Aguarde mais novidades, tenho um monte delas para te repassar!

 

Um abraço,

Dr. Otávio Valério de Carvalho

Diretor Técnico – TECSA Laboratórios

Área Restrita

 

Resultado dos exames

Verificação de Autenticidade de Laudos de Sorologia para Raiva

Authenticity Verification of Rabies Serology Report

Ou se tem alguma dúvida, fale conosco

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudar você?